quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Apego.

"- Você é anormal menina. Eita, o que ele fazia de tão especial? Tipo, sei que não é fácil esquecer, mas gostar às vezes é estranho…
- Não fazia nada…Eu só.. Só gostava, entende?
- Mas porque gosta “às vezes” dele ainda?
- Por gostar. Me apeguei à ele como nunca me apeguei a ninguém…Prendi e não quis mais soltar.
- Entendo. E ele, por onde anda?
- Pelas ruas de um Porto, caçando borboletas em estômagos vazios, fazendo espelhar aquele riso viciante nos vidros dos carros e nas poças d’água.. Amando mulheres, garotas, meninas…Amando todas, menos à mim."

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Adeus e A Deus.

Mediocre Minds: Blog inspirado numa das minhas músicas favoritas do Bad Religion. Criado com a intenção de ser utilizado especialmente para as minhas reclamações diárias, mas que acabou falido pelo seu sentimentalismo barato.

Com exatos quatro anos e cinco meses de vida ele se vai, tornando-se apenas uma lembrança, uma memória escrita que sairá do ar, mas ficará guardado como uma outra coisa qualquer.

Muitas lembranças, poemas, retratos do dia-a-dia e do trecho de uma vida que servia apenas como válvula de scape. Hoje eu me despeço e jogo a Deus.

Um beijo, um abraço e boa sorte.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Meses.


Fazem meses que não te vejo, 'que não falo com você'. Não sei se você está bem, se está estudando, se está gostando de outro alguém ou se às vezes ainda sonha comigo. Nada mais sei sobre você, além do que sobrou. Recentemente vi umas fotos suas, o corte de cabelo ainda era o mesmo, o físico, o estilo de roupas. Mas tinha algo diferente, eu sei que tinha, porém, como eu poderia explicar?
Era algo no seu olhar castanho escuro, como se faltasse algo por dentro de você. Era o formato dos traços do seu sorriso, como se tivesse perdido um pedaço de você...
Então lembrei, talvez o que faltava, era o pedaço de você que eu levei comigo, e não consegui te devolver.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Só uma coisa.


Só tenho uma coisa a dizer: Eu gosto muito dos teus olhos. Muito, muito mesmo. Eles me transmitem paz, me acalmam...
As vezes passo minutos e minutos observando fotos suas só para olhar bem os seus olhos e imaginar o que você sentia no momento, porque eles demonstram muita coisa a seu respeito. Outras vezes eu te observo de longe, pelo mesmo motivo.
Olhos castanhos serenos, olhar de infância, de carisma. Tenho vontade de dar um abraço bem apertado e demorado como os de costume e um beijo na bochecha. Eu não sei o que é isso, mas os seus olhos são os mais lindos e sinceros que eu já vi...

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Caminho.


Me perdi no caminho e não acho a saida, preciso recomessar e não encontro uma frestinha pra sair. Tentei encontrar e tive certeza que tinha achado mas era engano, era a luz da minha lanterna refletindo. Perdi denovo! Nada se ganha, só se perde. As unicas coisas que se tem a gente perde, e só da conta depois, ai já viu né, a água ja levou.




Temos 3 caminhos e só um certo, agora, qual a probabilidade de vc acertar ele?

sábado, 29 de janeiro de 2011

Paz.


Tenho sentido uma paz tão grande, nunca me senti assim. É como se eu tivesse me libetado de alguma coisa muito forte que me amarrasse e eu não conseguisse sair. Eu acho que aquele sentimento todo era desnecessário, e que estava grudado a mim apenas como um controle da vida, pra eu não surtar nem enlouquecer. Não que eu ache que ele não exista mais, pelo contrário, ele deve até existir, mas está guardado apenas para ocasiõs especiais, e estas demoram muito a acontecer.
Me sinto tão mais leve, mais limpa, mais rasa de tudo aquilo que transbordava.
Me sinto menos incompleta, me sinto livre, me sinto só, mas no lado bom de conseguir concretizar as coisas sem nada para atrapalhar.

Liberdade, era isso que eu precisava!

domingo, 23 de janeiro de 2011

Ultima Palavra.


-"Vou embora"
-"Essa é sua ultima palavra?"

(...)

-"Sim. Tudo isso um dia foi belo demais, agora acabou, é a minha vez de partir"
-"Então... Adeus"
-"Exatamente, À Deus"

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Rebobinar.


Me falta tempo e as vezes alguma vontade mas não vinha ao caso hoje. Alias, não vinha ao caso a semana inteira, desde que o mês começou, desde antes do ano acabar. Eu precisava escrever e desabafar, só não sabia como.
A questão é cansaço. De que? Tudo. Exageradamente TUDO.
Cansaço de ser usada pelas pessoas, mal reconhecida, mal amada, mal comida, mal compreendida, mal de tudo. Cansaço das pessoas, que abusam e usam da minha boa vontade, do meu amor, do meu carinho, da minha amizade.

E eu? Que só queria ser feliz? Eu só tentei ajudar. Só me doei pra todo mundo.
Eu tentei! Eu estava tentando até hoje, quando recebi um pé na bunda e um some da minha vida exculaxado que me deprimiu e me doeu e me deu um nó no estomago. Eu tive vontade de chorar, eu me segurei, eu foquei no trabalho, no trabalho, no estudo, no amigo, na conversa, no video, na risada, na morte da bezerra, no latido do cachorro do vizinho do prédio ao lado. Eu subi e desci e todos os nossos momentos se passaram pela minha cabeça como se fosse um filme, como se fosse uma morte e era. Era porque naquele momento você morria pra mim.
VOCÊ MORRIA. Morria, morria, morria, morria e eu me espremia, me agarrava, me segurava porque o tempo passa e passa e passa e passou, quatro meses juntos foram para o lixo enfiados em sacos e todo o amor decepado, enterrado, comido e agora vomitado.
Eu tentei, o tempo me tentava mas eu tentei, o cerebro tentava mas eu tentei, e tentei e eu lutei mesmo de longe eu desejei e fiz o que pude fazer no momento que teve que ser feito e você sumiu. Não colaborou você largou tudo que tinha conseguido. Você desligou, não mandou mais as mensagens nem fez os telefonemas e despareceu e eu perguntei e você respondeu e você perguntou e eu disse que tava com preguiça porque eu tava mas também não sabia o que te falar. Se eu pudesse eu rabobinava tudo e tentava não me entregar, não te conhecer, não conversar. E eu tive medo. O tempo todo eu tive medo, medo, medo, medo de perder porque no fundo eu sabia que ia acabar perdendo e eu perdi. Na verdade eu não perdi, eu nunca tive. Nós nunca nos tivemos inteiros eu sempre fui incompleta e eu sempre vou ser assim por que o me completa esta completamente longe de mim.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Fim.


Todos os dias eu penso em parar.

Mas não é só isso que eu preciso, eu preciso parar é de pensar e começar a agir.

Quero por um fim a toda essa dor, porque tanto tempo já passou e a dor continua.

Eu quero parar.


"Quando pensava em parar, o telefone tocou. Então uma voz que eu não ouvia há muito tempo, tanto tempo que quase não a reconheci, (mas como poderia esquecê-la?) uma voz amorosa falou meu nome, uma voz quente repetiu que sentia uma saudade enorme, uma falta insuportável, e que queria voltar, pediu, (…). Se podia voltar, insistiu, para sermos felizes juntos. Eu disse que sim, claro que sim, muitas vezes que sim, e aquela voz repetiu e repetia que me queria desta vez ainda mais, de um jeito melhor e para sempre agora."

domingo, 2 de janeiro de 2011

Faz parte.


Você faz tanto parte de mim e eu faço tanto parte de você que eu nem sei como ainda estamos parados aqui.

Lembrar.


"Vou te escrever carta e não mandar.
Vou tentar recompor teu rosto sem conseguir.
Vou ver Júpiter e me lembrar de você.
Vou ver Saturno e me lembrar de você.
Daqui a vinte anos voltarão a se encontrar.
O tempo não existe.
O tempo existe, sim, e devora.
Vou procurar teu cheiro no corpo de outra mulher. Sem encontrar, porque terei esquecido. Alfazema?
Alecrim. Quando eu olhar a noite enorme do Equador, pensarei se tudo isso foi um encontro ou uma despedida.
E que uma palavra ou um gesto, seu ou meu, seria suficiente para modificar nossos roteiros.
(Silêncio)
Mas não seria natural.
Natural é as pessoas se encontrarem e se perderem.
Natural é encontrar. Natural é perder.
Linhas paralelas se encontram no infinito.
O infinito não acaba. O infinito é nunca.
Ou sempre!"

Descobri.


"Mas tudo está bem agora, eu digo: agora. Houve uma mudança de planos e eu me sinto incrivelmente leve e feliz. Descobri tantas coisas. Tantas, Tantas. Existe tanta coisa mais importante nessa vida que sofrer por amor. Que viver um amor. Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente."

Caio F.